Principais dúvidas sobre hospedagem de sites respondidas!

duvidas hospedagem de sites

É muito comum que as pessoas que estejam desenvolvendo um site, ou pensando em fazê-lo, tenham algumas dúvidas a respeito da hospedagem. São muitos os termos técnicos e a quantidade de opções, o que torna o assunto mais difícil.

Neste artigo você entenderá os principais termos utilizados tecnicamente para hospedar um site em um provedor — ou seja, colocá-lo no ar e lá deixá-lo acessível para o mundo. Acreditamos que isso poderá ajudá-lo na hora de buscar o melhor serviço de hospedagem para o seu site.

Você entenderá o que é hospedagem, o que é domínio, quais os tipos de hospedagem existentes, como escolher o melhor provedor, entre outras informações. Verá também a “tradução” dos principais termos técnicos utilizados pelas empresas e pelos profissionais especializados no assunto. Confira!

1. O que é a hospedagem?

Dito de uma forma bem simples, hospedagem é um ambiente virtual utilizado para armazenar todos os arquivos de um site e torná-lo acessível pela internet. Um site é composto por uma série de arquivos, como textos, imagens e códigos, que em conjunto, formam as páginas que estamos acostumados a ver na internet. A hospedagem, que abrange uma série de recursos, é alugada por empresas de hospedagem, também chamadas de provedores de hospedagem.

O que é provedor de hospedagem?

Um provedor de hospedagem (também chamado de host) é uma empresa que fornece as tecnologias e os serviços necessários para que os sites estejam disponíveis para serem acessados na internet. Os sites estão hospedados, ou armazenados, em computadores especiais chamados de servidores.

A maioria das empresas de hospedagem exige que você possua um domínio próprio para publicar um site. Quem não tem um domínio, pode registrar um através de uma entidade como o Registro.br ou por uma empresa de hospedagem, que muitas vezes oferece domínio grátis no plano de hospedagem.

2. O que é domínio?

domínio

O domínio é o endereço web de um site, um conjunto de palavras que os internautas colocam no navegador para chegar até o site desejado. Por exemplo: tudosobrehospedagemdesites.com.br.

Saber escolher um domínio é muito importante, quase tanto quanto a sua própria marca. Ele precisa ser fácil de ser lembrado e escrito, e estar disponível em .com.br ou .com, que são as extensões mais usadas no Brasil. Algumas situações podem pedir o uso de outras terminações, como .org para organizações sem fins lucrativos, .gov para instituições governamentais e .edu.br para instituições de ensino superior.

Caso tenha uma marca, mas ainda não tenha um site, vale a pena registrar o seu domínio mesmo assim. Primeiro para garantir exclusividade, já que terceiros poderiam registrar este domínio antes de você. Segundo, porque seu domínio poderá ser usado nos e-mails da empresa (ex: contato@seudominio.com.br), dando mais credibilidade ao seu negócio.

Como fazer o registro de um domínio?

Registrar um domínio é relativamente simples: basta entrar no site do Registro.br (ou de qualquer empresa de hospedagem), checar a disponibilidade do domínio desejado, preencher alguns dados e comprá-lo por um custo começa em R$ 40 ao ano (este preço foi atualizado em 2017).

Existe uma variedade de extensões (Top Level Domains ou TLDs), além da tradicional “.com.br”. Essas extensões são as terminações encontradas à direita do ponto no endereço web (.net ou .jus, por exemplo). É possível adquirir domínios para pessoas físicas e jurídicas, com terminações genéricas (ex: .com.br e .net.br), para universidades (.edu), para profissionais liberais (.adv), ONGs (.org) e muitas outras.

Também é possível registrar um domínio apenas com o “.com”, que é amplamente usado no mundo, e que se refere a qualquer entidade comercial. O domínio também pode ter uma extensão referente ao país de origem do domínio. No Brasil, por exemplo, é “.br”, na Argentina, “.ar”, e assim por diante.

No entanto, atenção: é muito importante pensar na melhor opção de domínio para o seu negócio, pois a extensão, além de definir o tipo de negócio, também ajudará as pessoas a memorizar o endereço do site. Investir no “.com.br” e no “.com” é muito recomendado, pois são as extensões mais populares no Brasil. Registrar mais de uma extensão também pode ser uma maneira de proteger o seu nome do uso de terceiros.

3. O que é um DNS?

Em algum momento você também irá se perguntar o que é DNS. Essa é a sigla para Domain Name System, um protocolo padrão que que traduz endereços de IP em nomes de domínio. Como os endereços de IP contém números, eles seriam muito difíceis de decorar, então é preciso transformá-los no domínio.

Digamos que o DNS é como uma lista telefônica para a internet. Se você sabe o nome de uma pessoa, mas não sabe seu número, você pode simplesmente procurá-lo na lista telefônica, certo? O DNS funciona na mesma lógica: ele relaciona o domínio digitado no browser ao IP da máquina onde o site está hospedado.

Se você registrou seu domínio em uma empresa e deseja hospedar o site em outra, você precisará saber o DNS da sua hospedagem, para poder apontar o domínio para ela. Caso tenha registrado seu domínio no Registro.br, por exemplo, este artigo poderá ajudá-lo a fazer isso: Como alterar o DNS do seu domínio no Registro.br.

4. Quais são os tipos de hospedagem?

Tipos de hospedagem de sites

Entendendo a diferença entre domínio e hospedagem, agora já podemos conversar sobre os principais tipos de hospedagem que existem hoje no mercado. Vamos lá?

Hospedagem de sites (compartilhada)

A hospedagem de sites compartilhada é ideal para pessoas e pequenas empresas, que buscam presença online mas não dispõem de um grande orçamento. Ela possui um preço mais acessível justamente porque há o compartilhamento de um único servidor web entre vários sites.

Em serviços de hospedagem compartilhada, um servidor individual atende a diferentes contas de hospedagem. Na maioria dos casos, cada conta possui um montante alocado de recursos, como espaço em disco e largura de banda. Esse tipo de plano de hospedagem é adequado para sites institucionais, pessoais ou pequenos comércios eletrônicos.

Em alguns casos, por causa dos recursos compartilhados, um abuso por parte de um site pode afetar todos os sites hospedados no mesmo servidor. Para evitar este tipo de problema, as empresas monitoram os servidores continuamente e agem rapidamente nessas situações, retirando o site que ultrapassou os limites.

Hospedagem dedicada

Como o próprio nome já diz, a hospedagem dedicada permite que indivíduos e empresas aluguem todo o servidor de forma exclusiva. Com a hospedagem dedicada, você pode selecionar o seu sistema operacional, personalizar o software e fazer todas as configurações de acordo com as suas necessidades.

Com hospedagem em servidores dedicados você também pode ter controle avançado sobre o servidor, sem a necessidade de investir em equipamentos e infraestrutura próprios. Servidores dedicados são mais populares entre os sites de alto tráfego, e-commerce, sites de jogos, streaming de vídeo e outros sites e aplicações que consumam muitos recursos.

Por ser dedicado, este tipo de hospedagem exige profissionais especializados no gerenciamento do servidor. Para isso, é possível contratar um especialista ou contar com este serviço da própria empresa de hospedagem. O gerenciamento pode ser de hardware, software ou ambos.

Hospedagem na nuvem (cloud)

Com os avanços em tecnologias de computação em nuvem (cloud computing), a hospedagem na nuvem surgiu como uma solução de custo eficaz e boa qualidade. Ao contrário dos servidores de hospedagem compartilhados e dedicados, a hospedagem em nuvem é feita através de vários servidores que atuam como um único sistema, conectados uns aos outros.

Um servidor de hospedagem em nuvem é mais estável por causa de balanceamento de carga, recursos de segurança mais elevados, não dependência de um único servidor como um ponto de falha e também pela possibilidade de aumentar ou diminuir os recursos do servidor de acordo com suas necessidades.

Serviços de hospedagem na nuvem normalmente são cobrados com base no uso e é fácil dimensionar seus custos, de acordo com as suas necessidades de tráfego. Em termos simples, quem hospeda na nuvem paga apenas pelos recursos que utilizar, como se fosse a tarifa de energia elétrica, por exemplo (conforme o consumo, a conta sobe ou desce de valor mensalmente).

Hospedagem VPS

O VPS ou Servidor Virtual Privado (na tradução para o português) é um tipo de hospedagem intermediária, entre a compartilhada e a dedicada. Ela possui algumas características de um dedicado, no que se refere as permissões avançadas e controle do ambiente da hospedagem. Por outro lado, o ambiente é virtualizado e funciona dentro de um servidor físico, compartilhado com outros VPSs.

O VPS tem um custo inferior ao servidor dedicado, mas superior à hospedagem compartilhada.Por conta dessas características, o VPS é ideal para sites e aplicações que precisam de um ambiente configurável, mas que não necessariamente consomem muitos recursos. Você verá planos VPS com recursos robustos, mas também poderá ver VPSs inferiores à uma hospedagem compartilhada.

Por ser uma hospedagem com recursos definidos, sites com pico de tráfego ou muito acessados podem não ser suportados por um VPS. Por isso é muito importante avaliar os recursos de cada plano antes de contratar este tipo de hospedagem.

Revenda de Hospedagem

A revenda é indicada para pessoas que desejam iniciar seu próprio negócio de hospedagem ou agências que hospedam sites de clientes. Na revenda de hospedagem você pode dividir os recursos em planos distintos e vendê-los aos seus clientes, contando com os serviços e a tecnologia da empresa de hospedagem. Não é preciso realizar nenhum investimento em infraestrutura.

Normalmente as empresas de hospedagem oferecem painéis de gerenciamento e financeiro que permitem que você emita faturas (cobranças) para seus clientes, com a sua própria marca e preços. Também costumam disponibilizar outros produtos para revenda, como domínios, por exemplo.

5. Quais os principais termos técnicos em torno da hospedagem de sites?

Além de conhecer os tipos de hospedagens de sites, é importante que você conheça alguns termos técnicos utilizados por empresas e profissionais que oferecem esses serviços.

Tráfego

O tráfego está diretamente relacionado à quantidade de visitas que o site recebe. Quanto mais visitantes um site tiver, maior será seu consumo de tráfego na hospedagem. Como referência, a HostGator informa que uma hospedagem compartilhada costuma comportar até 8 mil visitantes por dia. No entanto, ressalta que o tráfego suportado pela hospedagem não está relacionado somente à quantidade de visitas, mas ao nível de otimização de um site. Sites com código otimizado consomem menos recursos da hospedagem e, por isso, suportam um número maior de visitas. Além disso, este limite não leva em consideração picos de tráfego, e sim, um tráfego constante.

De modo geral, cada plano de hospedagem vem com um limite de tráfego definido. Alguns especificam a largura de banda, outros, o número de visitantes. Algumas empresas vendem tráfego ilimitado, que por sua vez, também tem suas limitações. Sobre isso, leia nosso post: Hospedagem Ilimitada – entenda o que você está levando.

Subdomínio

Um subdomínio é uma ramificação do domínio e frequentemente é usado para blogs e lojas virtuais “anexas” ao site principal, que funciona no domínio. Logo, se o site principal é tudosobrehospedagemdesites.com.br, o blog.tudosobrehospedagemdesites.com.br seria um subdomínio.

Além de trazer uma estética agradável para as páginas, os subdomínios ajudam os usuários a identificar em que parte do site estão (visualizando a URL no navegador) e também ajudam o administrador a mensurar o número de visitas em cada área. No lugar do subdomínio, também poderia ser usada uma pasta, ficando assim: tudosobrehospedagemdesites.com.br/blog.

Redirecionamento

O redirecionamento é uma das ferramentas mais versáteis dentro de um provedor de hospedagem. Como o próprio nome diz, com ele é possível redirecionar uma página para um endereço no seu próprio domínio ou para um domínio externo.

Por exemplo, seria possível direcionar www.querohospedaragorameusite.com.br para www.tudosobrehospedagemdesites.com.br. Ou ainda, seria possível redirecionar uma página, que já não existe, para uma página substituta, dentro do mesmo domínio. Outra situação muito comum seria ter dois domínios iguais, um “.com.br” e outro “.com” e redirecionar o secundário para o principal. Assim, você garantiria que o usuário encontraria o seu site, não importa qual dos dois domínios ele digitasse.

Espaço

A capacidade de armazenamento do provedor (ou servidor) é comumente chamada de espaço em disco. É o espaço que determina a quantidade de arquivos que pode ser armazenada na hospedagem. Geralmente o espaço é mensurado em Gigabytes (GB) ou Terabytes (TB) — 1 GB equivale a 1024 MB, e 1 TB a 1024 GB.

Algumas empresas oferecem espaços em disco exclusivos para o site, e-mail e banco de dados. Outras oferecem um único espaço para ser compartilhado por toda a conta de hospedagem. Há ainda, empresas que oferecem espaço em disco ilimitado. Neste caso, é importante saber que este espaço deve ser compatível com um site pessoal ou de pequena empresa, não sendo permitido utilizar a hospedagem como repositório de arquivos.

FTP

FTP é o acrônimo de File Transfer Protocol, ou Protocolo de Transferência de Artigos, em português. Ele existe para facilitar o acesso a arquivos do site e acelera o processo de passagem desses arquivos para um serviço de hospedagem. Por ser uma ferramenta mais técnica, é usado por designers e desenvolvedores. Usuários mais leigos podem usar o gerenciador de arquivos, oferecido pelas empresas de hospedagem. Para saber mais detalhes, leia nosso post: FTP – o que é e como usá-lo.

Gerenciador de arquivos

O gerenciador de arquivos é a base do gerenciamento de um site. Por ele é possível administrar as pastas e os arquivos que compõem a estrutura do site. Também é no gerenciador de arquivos que são feitos downloads, uploads, exclusões e alterações de arquivos. É uma versão mais amigável do que o FTP, para usuários não técnicos.

Para se aprofundar ainda mais na linguagem técnica do universo de hospedagem de sites, acesse nosso Glossário de Hospedagem de A a Z!

6. Qual o plano de hospedagem ideal para o meu site?

Plano de hospedagem

Chegamos a uma das dúvidas mais frequentes para quem busca hospedar um site: como descobrir o plano de hospedagem ideal para o site. Acompanhe estas dicas!

Saiba qual é (ou será) o tamanho do seu site

Responda rápido: o site que você construiu ou planeja construir é pequeno ou grande? Pense no número de páginas que ele terá: até 10? Mais que 10? E mais: qual será a quantidade de imagens, vídeos e áudios disponibilizados em seu site? A resposta a esses questionamentos te ajudará a definir o tamanho do seu site. Veja:

Um site pequeno ou médio pode ser hospedado em uma hospedagem compartilhada, ainda mais se estiver bem otimizado. Esse tipo de hospedagem é o mais popular e atende ao maior número de sites em todo o mundo. Como vimos, é a hospedagem mais barata, pois tem um custo que varia entre R$ 6 e R$ 20 mensais.

Sites com muitas páginas e arquivos pesados precisam de uma hospedagem Cloud ou dedicada. Em alguns casos, o VPS poderá servir, mas é preciso avaliar com muito cuidado.

Planeje o tráfego esperado para o seu site

Na maioria dos casos, os donos de sites esperam receber um grande tráfego, uma grande quantidade de visitas, certo? Por isso, antes mesmo de colocar seu site no ar, você deve estimar este tráfego — cada vez que uma página é carregada, ela utiliza um pouco dos recursos do servidor de hospedagem. Veja:

Um blog ou site com número de acessos baixo a moderado pode utilizar um serviço de hospedagem compartilhada. Um site que tenha muitos acessos, ou picos de tráfego, pode consumir rapidamente os recursos disponíveis até o limite estabelecido no plano de hospedagem. Quando isso acontece é muito provável que o site fique fora do ar. Sites com alto tráfego ou com picos de tráfego devem ser hospedados em Cloud ou em servidores dedicados.

É muito importante estimar corretamente os recursos do seu novo site ou monitorar de perto o consumo do seu site atual. Esse cuidado fará toda a diferença para prevenir indisponibilidades ou lentidões na navegação — o que prejudicaria a imagem da sua marca e o próprio ranqueamento dele no Google.

Saiba se seu site tem ou terá uma loja virtual

Outro ponto muito importante a ser considerado na hora de escolher a hospedagem é saber se o site tem ou terá uma loja virtual. Neste caso, a hospedagem precisa oferecer o protocolo de segurança SSL.

Este detalhe técnico é importante, pois garante a segurança dos dados das pessoas que fazem compras online (através da criptografia — codificação das informações para serem lidas somente pelas ferramentas de transações online). Sem esse cuidado, toda a segurança das informações dos clientes da loja virtual, bem como do proprietário do e-commerce, pode ficar ameaçada — de acordo com a Symantec, o Brasil já é o 8° país em origem de fraudes virtuais.

No caso de vendas realizadas por meio de uma ferramenta de pagamento de terceiros (PagSeguro, PayPal, etc.), essa preocupação é bem menor, pois a transação já acontece em um ambiente seguro fornecido por essas empresas.

Para sites que tenham vendas virtuais, o plano de hospedagem varia de acordo com o tamanho da loja. Aqueles que contenham poucas páginas de produtos podem ser muito bem atendidos por uma hospedagem compartilhada — sempre com  SSL. Já aqueles com lojas virtuais de médio e grande porte necessitam de planos mais robustos — Servidor VPS, cloud ou servidor dedicado.

7. Como avaliar e escolher uma empresa de hospedagem?

Depois de verificar os pontos citados nos tópicos anteriores, você já pode começar a procurar por um plano de hospedagem para o seu site — em nosso blog, fizemos uma lista com as melhores empresas do mercado. Confira!

Para fazer uma avaliação eficaz das empresas que oferecem serviços de hospedagem de sites, observe os seguintes pontos:

O que você deve saber sobre a empresa de hospedagem

  • Reputação da marca no mercado: o que os clientes dizem sobre ela, qual o seu tamanho e como ela se posiciona?
  • Suporte: quais são os canais que ela utiliza para prestar suporte aos seus clientes? Quais são os horários de atendimento? O suporte é prestado em português?
  • Gerenciamento: como é o painel de controle para o administrador do site? Ele é em português? É de fácil entendimento e navegabilidade?
  • Garantias: a empresa oferece reembolso, no caso de você ficar insatisfeito com o serviço? Há um período de avaliação sem custos?
  • Uptime: a empresa oferece uma garantia de disponibilidade do servidor acima de 99,5%? Esta promessa é cumprida na prática? O que os clientes dizem sobre esse detalhe técnico?

O que você deve saber sobre o plano de hospedagem

  • Espaço em disco: qual o espaço em disco oferecido no plano? Ele é suficiente para o tamanho do seu site (ou o tamanho que você quer que ele tenha num futuro próximo)?
  • Transferência de dados: qual é o limite de tráfego do plano? Ele atende ao número de visitas atual (ou que você quer vir a ter)?
  • Plataforma: a hospedagem oferecida é Linux ou Windows?
  • E-mail: quantas contas de e-mail e qual é o espaço para armazenamento oferecido em cada conta? Esse número atende a todos os usuários que você tem/terá?
  • Extras: há construtor de sites? O plano oferece recursos como SSL privado?

Quais são os serviços prestados por empresas de hospedagem?

Agora vamos falar um pouco sobre os serviços que você pode esperar de uma empresa provedora de hospedagem de site. Veja a seguir os principais:

  • Registro de domínio;
  • Hospedagem de site;
  • Hospedagem streaming;
  • Revenda de hospedagem;
  • Servidores VPS;
  • Servidores dedicados;
  • Criador de sites;
  • Suporte ao cliente.

8. Quais as diferenças da hospedagem em Linux e em Windows?

Linux ou Windows

Os planos de hospedagem web podem ter seus servidores executados por diferentes sistemas operacionais — eles podem ser Windows ou Linux. Mas quais as diferenças entre eles? É preciso conhecer as características destes sistemas operacionais para escolher o mais adequado para a hospedagem do seu site. Confira:

As principais diferenças entre servidores Linux e Windows

Existe uma diferença óbvia entre as plataformas Linux e Windows: o sistema operacional. Tecnicamente falando, enquanto os servidores Windows rodam uma versão do software Internet Information Services (IIS), os servidores Linux são configurados com o servidor Apache e podem rodar uma das diversas distribuições que existem (CentOS, Debian, Red Hat, Ubuntu etc.).

É importante dizer, no entanto, que o sistema operacional do servidor não tem nenhuma relação com o do computador. Assim, é possível hospedar em um servidor Linux mesmo que você utilize o Windows para criar o site. O que muda são algumas funções. Para saber mais sobre o comparativo técnico, acesse: Hospedagem Linux ou Windows: saiba como escolher a melhor opção.

De forma simples, sites criados em PHP (ex: WordPress) rodam melhor em uma hospedagem Linux, apesar de funcionarem no Windows. Já sites construídos em ASP ou .NET precisam de uma hospedagem Windows para funcionar, pois são linguagens da Microsoft.

Caso precise contratar uma hospedagem e esteja em dúvida sobre o que escolher, pergunte ao suporte da empresa. Eles poderão te ajudar a escolher a melhor opção. Caso tenha contratado um especialista para criar o seu site, ele certamente poderá te ajudar nesta escolha.

Conclusão

Um site profissional é indispensável para empresas de todos os portes em todos os segmentos de atuação e também para profissionais liberais e empreendedores de uma forma geral. Trata-se simplesmente de existir, pois a internet é hoje o principal meio de comunicação entre pessoas, governos, ONGs e negócios em todo o mundo.

Para se ter uma ideia, o IBGE aponta que mais de 50% das residências brasileiras já contam com conexão com a web. Um estudo realizado pela Interactive Advertising Bureau (IAB) em 2012 já demonstrou que a internet superava a televisão em audiência — 82% dos entrevistados disseram que a rede mundial de computadores é mais importante do que os meios tradicionais.

Há várias formas de ter um site, e em alguns casos você nem precisará lidar com o assunto hospedagem (como acontece com os criadores de sites, que já vêm com a hospedagem incluída). Ainda assim, é válido conhecer um pouco sobre este universo, já que ele acabará fazendo parte do seu dia a dia, à medida que o seu site crescer e fizer sucesso.

Esperamos que este artigo tenha sanado suas dúvidas sobre hospedagem! Caso queira registrar uma opinião sobre o assunto ou fazer uma pergunta, deixe seu comentário aqui. 🙂

Por:

Tudo Sobre Hospedagem de Sites é um site independente e que se propõe a ser exatamente o que sugere seu nome: uma fonte de conhecimento relevante sobre o universo de hospedagem de sites.

Deixe um comentário