Quanto custa ter um site?

quanto custa ter um site

Estar presente na internet e ser encontrado pelo público é fundamental para aqueles que desejam prosperar nos dias de hoje, onde ter um site é praticamente uma obrigação em qualquer ramo de negócio. Apesar dessa ideia estar amplamente difundida, a possibilidade de ter que criar um site ou iniciar uma empreitada dessa natureza pode assustar muita gente, que, por não estar familiarizada com o assunto, se apega a conceitos equivocados ou incompletos, como “ter um site é muito caro” ou “é impossível fazer sozinho“.

A boa notícia é que existem diversas possibilidades para criação de sites hoje em dia, que vão desde o “faça você mesmo” até a contratação de uma empresa especializada no assunto. De fato ter um site pode ser caro e complicado de fazer sozinho, no entanto, com um pouco de pesquisa e conhecimento é possível escolher a melhor opção para o seu bolso e para a quantidade de tempo que você deseja investir no assunto.

Afinal, o que eu preciso para ter o meu próprio site? E quanto custa ter um site? Neste artigo, vamos esclarecer o que é necessário para ter um site publicado e quanto custa para mantê-lo. Entre outras coisas, você saberá:

  • Quanto custa um domínio
  • Quanto custa uma hospedagem de site
  • Qual o custo de criação de um site
  • Qual o custo de produção de conteúdo de um site

O fundamental para ter um site profissional

o que preciso para ter um site

Independente do tipo de site, existem dois itens básicos que todo site precisa ter: um domínio e uma hospedagem. Podemos compará-los à uma loja física, que precisa de um endereço e de um imóvel para funcionar. Vamos entender um pouco melhor o que são esses dois elementos e por que não é possível ter um site sem eles.

Independente do tipo de site desejado, existem dois itens básicos que todo site precisa ter: um domínio e uma hospedagem.

O domínio é o endereço eletrônico do seu site. Como citado acima, podemos comparar o domínio ao endereço de uma loja física; é através dele que uma pessoa irá localizar o seu site, ao digitar o domínio na barra de endereço do navegador. Um domínio tem uma estrutura parecida com “www.meusite.com.br“.

A hospedagem é o local que vai armazenar os arquivos do seu site. Nesse caso, um servidor de hospedagem nada mais é do que um computador, exclusivo para o armazenamento e disponibilização de arquivos na internet. Podemos comparar a hospedagem do seu site com o espaço físico de uma loja. Se o imóvel na qual a loja está localizada possui bastante espaço, caberão muitos produtos dentro dela. Já se a loja estiver em um imóvel pequeno, caberão menos produtos. Logicamente, como se tratam de arquivos digitais, a medida de um produto em uma loja física é diferente da medida de um produto em uma loja virtual, mas podemos utilizar ambos para efeito de comparação.

Com esses dois itens, domínio e hospedagem, você terá base para ter o seu próprio site. Naturalmente, você ainda não terá o site propriamente dito, e sim, o terreno necessário para construí-lo. Além desses itens, falta o mais importante: o site em si, que inclui sua aparência e seu conteúdo.

Resumindo, para ter um site profissional, precisamos basicamente de quatro itens:

  1. Domínio (endereço eletrônico)
  2. Plano de hospedagem de sites
  3. Aparência (layout)
  4. Conteúdo (textos, fotos, áudio e vídeo)

Agora que já entendemos os conceitos básicos, vamos nos aprofundar um pouco mais em cada um para que possamos descobrir quanto custa ter um site.

Quanto custa um domínio?

quanto custa um domínio

O registro de domínio custa a partir de R$ 40 por ano e funciona como um aluguel: uma vez registrado, você tem o direito a utilizar aquele domínio por um período pré-determinado. Ao final desse período você poderá renovar o registro daquele domínio. Caso opte por não renová-lo, o domínio vai expirar e, ao final do processo de expiração, qualquer pessoa poderá registrá-lo.

Um domínio nacional registrado diretamente no Registro.br custa R$ 40 por ano e o período do registro vai de um a dez anos.

Registro de domínios nacionais

preço registro de domínio no site registro.brDomínio nacional é todo aquele terminado em “.br”. No Brasil, o órgão que regula o registro de domínios é o NIC.br, que é o responsável por manter o site Registro.br, onde é possível registrar qualquer tipo de domínio nacional.

Um domínio nacional registrado diretamente no Registro.br custa R$ 40 por ano e o período de renovação vai de um a dez anos. Caso o período de renovação escolhido seja maior do que 1 ano, um desconto é aplicado.

Também é possível registrar um domínio nacional em uma empresa de hospedagem, o que pode ser conveniente caso você tenha um plano de hospedagem contratado em uma delas. No entanto, o preço quase sempre é maior do que o cobrado pelo Registro.br, exceto quando há promoções de domínio grátis na contratação da hospedagem.

Registro de domínios internacionais

O registro de domínios internacionais precisa ser feito através de uma empresa autorizada pelo ICANN, entidade que regula todos os domínios da internet. Praticamente todas as empresas de hospedagem de sites oferecem o registro de domínios internacionais, mas algumas se destacam nessa área. A GoDaddy, por exemplo, é uma das maiores registradoras de domínios do mundo, tendo atualmente mais de 50 milhões de domínios registrados com eles.

O custo de um domínio internacional possui uma variação maior e está ligado a alguns fatores, como a empresa que o oferece e a terminação desejada. A anuidade de um domínio “.com”, por exemplo, pode sair por R$ 44,90 na UOL Host, R$ 8,99 na GoDaddy (preço promocional 1º ano, R$ 49,99 na renovação) ou R$ 44,99 na HostGator. Domínios com outras terminações podem ser bem mais caros. Um domínio “.tv”, por exemplo, pode custar mais de R$ 100 por ano.

Quanto custa uma hospedagem de site?

quanto custa uma hospedagem

O custo de uma hospedagem pode variar bastante dependendo do tipo de site que você pretende ter. Na maioria dos casos, no entanto, o investimento é bem baixo. Se você for publicar um site institucional, por exemplo, um plano de hospedagem de sites compartilhada pode ser adequado.

Os preços deste tipo de hospedagem variam de R$ 6,90 a R$ 40 por mês, para os planos de entrada. Ao escolher ciclos mais longos, é possível ganhar descontos. Entre os planos mais baratos estão a hospedagem HostGator, a R$ 11,90/mês no plano trienal, a hospedagem GoDaddy, a R$ 6,99/mês no plano anual, e a Hospedagem UOL Host, a R$ 9,90/mês no plano anual.

No entanto, se você possui planos mais ambiciosos, como ter um grande site de e-commerce ou um site com muito tráfego, deverá considerar uma solução mais robusta, como um VPS, dedicado ou cloud. Essas opções variam bastante de preço, desde R$ 100 a R$ 1.000 por mês.

Para quem está pensando em uma hospedagem gratuita, ela existe, mas é importante entender que ela possui diversas restrições, tanto em recursos como em suporte. Para saber mais sobre o assunto, veja nosso artigo sobre hospedagem grátis.

E a aparência (design), qual o preço?

quanto custa o layout

A escolha do layout do site é uma das etapas mais importantes, pois pode influenciar o comportamento dos usuários em seu site. Um layout bem planejado pode aumentar significativamente as vendas no site, enquanto um layout ruim pode afastar possíveis compradores em poucos segundos.

Se nas etapas anteriores já encontramos diversas possibilidades, aqui nos deparamos com uma infinidade de opções, que vão desde a utilização de um tema pago ou gratuito até a produção de um layout 100% personalizado, por um web designer ou uma agência. Para facilitar a visualização das possibilidades nessa área, vamos considerar as formas mais comuns e então mostrar quanto custa ter um site em cada uma delas.

  1. Utilização de um template (pago ou gratuito)
  2. Utilização de um criador de sites (pago ou gratuito)
  3. Contratação de um web designer ou agência

1. Utilização de um template pronto (pago ou gratuito)

A utilização de um tema pronto é uma ótima opção para quem busca uma maneira rápida e eficiente de publicar um site gastando pouco ou nada. Existem milhares de templates espalhados pela internet, de modelos de site que você pode usar gratuitamente ou pagando uma única vez. Geralmente os modelos são oferecidos de acordo com a plataforma escolhida. Sendo assim, é possível adquirir um modelo pronto em html/css ou utilizar um gerenciador de conteúdo, como o WordPress, Joomla ou Drupal. Se o seu caso é publicar uma loja virtual, também existem modelos prontos de e-commerce em plataformas como Magento ou Open Cart.

Diante de tantas possibilidades, a escolha entre uma opção paga ou gratuita fará bastante diferença. Aqui, certamente os temas pagos se destacam, quando comparados com os temas gratuitos. Além disso, lojas como o Theme Forest e o Template Monster oferecem opções bastante profissionais para cada tipo de site. Se você optar por um modelo pronto e quiser que o seu site se destaque na multidão, deve considerar a aquisição de um modelo pago, ao invés de um gratuito.

Template pago para WordPress

A utilização de um template pago pode ser uma opção boa e barata para ter um site em pouco tempo. No exemplo, o tema Enfold, para WordPress.

Um tema para WordPress no Theme Forest, custa a partir de 29 dólares, sendo que os temas mais completos custam em média 69 dólares, pagos apenas uma vez. Uma vez adquirido, você pode customizar bastante o tema, inserindo seu conteúdo e tornando-o exclusivo.

2. Utilização de um criador de sites (ferramenta)

Se você gosta de colocar a mão na massa, mas não possui (nem deseja ter) conhecimentos técnicos, então uma boa opção pode ser a utilização de uma plataforma de criação de sites. Esse tipo de ferramenta oferece recursos para você montar o seu site como quiser, geralmente em uma interface intuitiva e fácil de usar.

editor de site wix

Na maior parte das empresas, o criador de sites é pago, mas algumas empresas também trabalham com a versão gratuita, como o Wix. A versão gratuita é mais limitada e costuma exibir anúncios no site. É uma ótima forma de experimentar a ferramenta, antes de fazer um investimento. O Impress.ly, que é uma ferramenta similar, permite que você use gratuitamente à vontade e pague somente na hora de publicar.

Na versão paga, o criador de site funciona como um aluguel: você paga um valor para usar a ferramenta. Enquanto estiver pagando, poderá editar à vontade o seu site, publicando novos conteúdos sempre que desejar. Caso queira encerrar o plano, o serviço será desabilitado ou retornará para o modo gratuito, como acontece no Wix. É importante frisar também que, ao contratar um plano de criador de site, você não precisa contratar a hospedagem, pois o serviço já está incluído no plano.

Quanto ao custo, isso dependerá um pouco do que é oferecido no plano, mas é possível utilizar uma ferramenta de criação de sites desde gratuitamente até R$ 40/mês. Separamos alguns exemplos de plano de criador de sites para comparação:

3. Contratação de um web designer ou agência

designerSe o seu caso não é executar, mas encomendar, então talvez você deva considerar a contratação de um profissional especializado para a criação de um layout exclusivo para o seu site. Escolhendo esta opção, você poderá garantir que o seu site é único e que ninguém mais utiliza o mesmo modelo que você. Além disso, um designer profissional poderá garantir que a sua marca estará corretamente empregada no seu site.

Em comparação com as demais opções, uma desvantagem dessa escolha é certamente o preço. Contratar um web designer ou uma agência para construir o seu site é, dentre as opções, a mais cara. Os valores podem variar muito: de R$ 2 mil até mais de R$ 50 mil. Um web designer freelancer estará entre os custos mais baixos, enquanto uma grande agência, entre os mais altos. Mas lembre-se: esse custo pode crescer ainda mais, dependendo da complexidade do site que você está buscando.

Vale lembrar que essa é apenas uma referência de preço. O mais importante é entender que nesta modalidade, você terá um site totalmente personalizado de acordo com as suas necessidades.

Produção de conteúdo para o site

quanto custa o conteúdo

Um dos itens mais importantes em um projeto de criação de sites – e que geralmente é negligenciado – é a produção de conteúdo. Essa pode ser uma das fases mais trabalhosas na construção de um site e muitos projetos ficam travados nesta etapa.

Conteúdo é tudo aquilo que os leitores vão consumir em seu site. Isso inclui textos, imagens, áudio/vídeo e demais arquivos digitais, como e-books para download, por exemplo. Você não precisa ter todos os tipos de conteúdo citados aqui, mas precisará ter, pelo menos, textos e imagens. Textos bem escritos e em quantidade são fundamentais para buscadores, como o Google, encontrarem e catalogarem o seu site. Portanto, não dê menos atenção para os textos, eles são importantes não apenas para os seus leitores, mas também funcionam como ferramentas de marketing nos resultados de busca. Já as imagens, essas servirão para apoiar e enriquecer o seu conteúdo, mantendo o leitor interessado no assunto que você está abordando em determinada página.

Produzir conteúdo por conta própria ou terceirizar?

Em algum momento do projeto você precisará decidir se fará a produção de conteúdo por conta própria ou se contratará alguém para fazê-lo. Ao optar por fazer por conta própria, você deve incluir o tempo para produção de conteúdo como um investimento no projeto. Já que tempo é dinheiro, quanto mais tempo dedicado a isso, mais caro poderá custar o projeto. Ao contratar um profissional para fazê-lo, o preço do serviço dependerá da quantidade de conteúdo desejada e de outros detalhes, como se o texto é técnico ou não. Segundo o site TextBroker, um texto não técnico de até 500 palavras custa 6 dólares. Já no site RedaWeb, o mesmo texto pode sair por R$ 15. Antes de contratar esse tipo de serviço, é importante pesquisar referências do site ou da pessoa que fará o serviço, para ter certeza de que está contratando um profissional adequado.

Considere o uso de bancos de imagens para o site

Como mencionamos acima, a presença de imagens no site é importantíssima para transmitir a sua mensagem corretamente. Na internet, salvo em algumas exceções, as pessoas não gostam de ler textos muito longos, portanto é importante ter imagens complementares aos textos para estimular os visitantes a continuarem na página.

Se você não for um fotógrafo ou um designer, existem grandes chances de não possuir um acervo de imagens de qualidade sobre o seu negócio. Se este for o seu caso, considere o uso de imagens em bancos de imagens como o Getty Images ou o 123RF. Os sites mais completos desse segmento possuem milhões de fotos, ilustrações, e até vídeos, à disposição de qualquer pessoa interessada em adquiri-las. O custo de cada imagem varia de acordo com o tamanho (resolução do arquivo). Uma imagem com resolução suficiente para uma página na internet pode custar cerca de 3 a 7 dólares.

Se você está com o orçamento apertado e procura imagens gratuitas de qualidade, confira nosso artigo que lista 11 bancos de imagens gratuitas e profissionais para você usar no seu site. Apesar de ter menos variedade, eles disponibilizam imagens incrivelmente bonitas (e de graça), o que é melhor ainda!

Exemplo de site com foto no fundo

Um bom conjunto de imagens, sejam fotos ou ilustrações, pode ser o diferencial que você precisava para destacar seu conteúdo. No exemplo, o tema Enfold, para WordPress.

Tenha cuidado ao usar um banco de imagens como sendo o único acervo de imagens do seu site, pois o tiro pode sair pela culatra. Caso as imagens não sejam bem escolhidas, o site pode transmitir frieza ou não passar credibilidade ao usuário. Uma alternativa para contornar essa questão é encomendar a produção de imagens do seu site. Nesse caso, o método de produção poderá ser determinado pelo tipo de negócio. Por exemplo: se você desejar construir o site de um restaurante, pode ser uma boa pedida contratar um fotógrafo profissional para tirar fotos do restaurante. Isso vale para muitos segmentos de negócio, principalmente aqueles que possuem um estabelecimento físico, como um estúdio de tatuagem, uma cafeteria, uma loja de móveis e assim por diante. Uma boa sessão de fotos de seu próprio negócio pode ser o diferencial que você precisa em seu site. Se as fotos forem realmente boas e estiverem em alta resolução, poderão ser utilizadas não apenas dentro do conteúdo, mas também compondo o layout do site, como uma imagem de fundo, por exemplo.

Se o seu negócio não combinar com fotos, considere investir em ilustrações que representem seu ramo de atividade. Contratar um ilustrador pode ser tão caro quanto encomendar uma sessão de fotos, mas o resultado pode ser tão bom quanto, dependendo do tipo de encomenda e do tipo de site. Utilize bom senso para escolher a opção mais adequada para o seu site.

Recursos extras que podem encarecer o projeto

Outros itens a considerar no custo total do site são funcionalidades extras. Se você deseja, por exemplo, o desenvolvimento de recursos específicos, como por exemplo, um sistema de anúncios ou classificados, você provavelmente precisará contratar um programador para a tarefa. Além disso, em projetos maiores, como o de uma loja virtual, será necessário contratar serviços extras, como um certificado SSL e outros possíveis itens de segurança para a hospedagem.

O custo da empreitada, mais uma vez, dependerá do tipo de recurso que deseja e do tempo necessário para desenvolvê-lo. Além disso, caso o seu site seja construído em uma plataforma específica, você poderá precisar de um especialista naquela linguagem, o que pode tornar a hora de trabalho mais cara. Na hora de escolher o profissional, vale a regra utilizada para o produtor de conteúdo: peça referências e se informe sobre trabalhos anteriores realizados por ele.

Afinal, quanto custa ter um site?

Alguns fatores-chave, de complexidade variável, vão determinar o preço de um site. Antes de iniciar a empreitada, é aconselhável que você levante algumas perguntas que poderão auxiliá-lo a decidir como você pretende realizar a construção do seu próprio site.

Quanto estou disposto a pagar por um site? Em quanto tempo gostaria que ele ficasse pronto? Estou apto a fazer tudo sozinho ou é melhor pagar alguém para fazer isso? Precisarei de fotos novas para o site? Ele deverá ter um blog ou outros recursos extras? 

Estes são exemplos de perguntas que você poderia se fazer antes de iniciar o processo. Quanto mais informações você tiver, mais fácil será escolher como construir o seu site. As agências e profissionais da área geralmente chamam esta coleção de perguntas e respostas de briefing do projeto.

Agora que você já montou o briefing do projeto, vamos considerar alguns cenários fictícios para calcular quanto custa ter um site.

Exemplos para calcular o custo de um site

  • Cenário 1: Domínio + hospedagem + layout (template) gratuito
    • Domínio “.br”: R$ 40/ano
    • Hospedagem compartilhada: R$ 25/mês (média)
    • Layout: gratuito
    • Produção de conteúdo: por conta própria
    • Total: R$ 65 no primeiro mês e R$ 25 nos demais
  • Cenário 2: Domínio + hospedagem + layout (template) comprado
    • Domínio “.br”: R$ 40/ano
    • Hospedagem compartilhada: R$ 25/mês (média)
    • Layout: 50 dólares – com o dólar a R$ 3,25, temos o preço final de R$ 162,50
    • Produção de conteúdo: por conta própria
    • Total: R$ 227,50 no primeiro mês e R$ 20 nos demais
  • Cenário 3: Domínio + hospedagem + layout exclusivo, criado por um designer ou agência
    • Domínio “.br”: R$ 40/ano
    • Hospedagem compartilhada: R$ 25/mês (média)
    • Layout: a partir de R$ 2.000,00
    • Produção de conteúdo: terceirizado – R$ 200 nos três primeiros meses (exemplo)
    • Total: R$ 2.265,00 no primeiro mês, R$ 225 nos 2 seguintes (conteúdo + hospedagem) e R$ 25 nos demais
  • Cenário 4: Domínio + Servidor Dedicado + e-commerce Magento
    • Domínio “.br”: R$ 40/ano
    • Servidor Dedicado: a partir de R$ 450/mês
    • Layout: a partir de 84 dólares – com o dólar a R$ 3,25, temos o preço final de R$ 273
    • Produção de conteúdo terceirizado + extras: a partir de R$ 500 nos primeiros meses
    • Total: investimento inicial a partir de R$ 1.263,00 no primeiro mês e R$ 950 nos demais

Lembrando que esses são apenas exemplos e o levantamento de quanto custa ter um site em cada cenário pode variar bastante.

Conclusão

Como vimos, diversos fatores influenciam o cálculo final do custo de um site. Contratar um ou mais especialistas para o serviço pode ser muito interessante, não apenas do ponto de vista da economia de tempo, mas também quanto ao resultado final. No entanto, essa opção pode elevar consideravelmente o preço final do site.

Por outro lado, sabemos que é totalmente viável fazer um site por conta própria nos dias de hoje. Apesar de consumir bastante tempo, a ideia de participar de todas as etapas do processo pode trazer grande satisfação, à medida que o projeto vai evoluindo e tomando forma.

E você, qual a sua escolha? Conte-nos sua experiência nos comentários!

, , ,

Por:

Tudo Sobre Hospedagem de Sites é um site independente e que se propõe a ser exatamente o que sugere seu nome: uma fonte de conhecimento relevante sobre o universo de hospedagem de sites.

21 Comentários

  1. Thiago

    Excelente artigo!
    Minha dúvida é se consigo fazer ou contratar alguém para criar um site, mas para usa-lo offline. Apenas para a comunicação entre cliente X servidor na rede interna?
    Com a possibilidade de adicionar e remover arquivos no servidor.
    E conseguir visualizar no servidor as solicitações do cliente.

    Obrigado.

    Responder
    • Redação

      Olá, Thiago!
      Sim, é perfeitamente possível criar um site para ser usado localmente (offline) ou em uma rede interna. A ferramenta a ser utilizada dependerá muito das suas necessidades, mas o que deseja é viável de se realizar. Uma possível começo seria procurar um programador ou empresa de desenvolvimento de software para explicar o que deseja e obter um orçamento.
      Um abraço e boa sorte!

      Responder
  2. Dimas

    Parabens pelo texto tenho um site ponto .it como faço para colocar ponto com. E hospedar no brasil abraco

    Responder
    • Redação

      Olá, Dimas!
      O primeiro passo para alterar o domínio do seu site é registrar o domínio desejado. Após o registro, você deverá apontar o DNS do seu novo domínio para o servidor onde hospeda o site atual.
      Você poderá, se desejar, manter os dois domínios na mesma hospedagem. No entanto, é importante que apenas um deles seja configurado como o principal. Isso porque, do ponto de vista de SEO, os buscadores precisam conseguir identificar qual é o domínio principal. Ter o mesmo conteúdo em dois domínios diferentes pode ser classificado como conteúdo duplicado, o que pode levar os buscadores a penalizar o segundo domínio.
      Portanto, é importante escolher qual será o domínio principal e fazer um redirecionamento do domínio secundário para o principal. Isso pode ser feito de diversas maneiras. Dependendo do tipo de site, outros ajustes poderão ser necessários. Há ainda a opção de inserir o atributo rel=”canonical” nas páginas do seu site para indicar a URL principal. Vale a pena pesquisar mais sobre as implicações de SEO de uma mudança de domínio, antes de iniciar qualquer procedimento.
      Quanto à hospedagem no Brasil, caso opte por uma, você precisará fazer uma migração de hospedagem, o que envolve, de maneira resumida, migração dos arquivos do site, bancos de dados (se existirem) e e-mails. Ao final do processo, você deverá apontar o DNS dos seus domínios para o novo servidor. Para saber mais sobre o processo, recomendo o artigo Como migrar de hospedagem – passo a passo.
      Vale lembrar que existem diversas empresas de hospedagem no Brasil que realizam a migração de hospedagem sem custos, na contratação de um plano de hospedagem. Você pode encontrar uma na página Empresas de Hospedagem de sites.
      Esperamos ter ajudado. Caso tenha outras dúvidas, basta entrar em contato.
      um abraço e boa sorte!

      Responder
  3. Diogo Ribeiro

    Gostaria de saber a opinião de vocês da cobrança de site por página pq na minha opinião é a forma mais justa de cobrança de um site e qual seria o valor aproximado dessa cobrança por página

    Responder
    • Redação

      Olá, Diogo!
      A cobrança de um site por páginas faz sentido até certo ponto. Considere também que em todo projeto de site existem algumas atividades que serão realizadas independente do número de páginas. Por exemplo, se for necessário entregar um layout conceito para o site, com modelos de página, isso demandará um trabalho à parte. Haverá necessidade de outras tarefas no servidor, como a migração de contas de e-mail? E quanto ao conteúdo, ele será entregue pelo cliente ou deverá ser produzido?
      Além das despesas relacionadas ao projeto em si, você provavelmente possui outros custos fixos, como aluguel, luz, internet, etc. Esses custos também poderão ser calculados e acrescidos aos seus projetos como um todo.
      E quanto ao acréscimo no orçamento por cada nova página, seria interessante também considerar o quanto de esforço será dedicado à cada nova página. Por exemplo: a página contém algum recursos especial e que precisará ser desenvolvido? Será uma página simples, com texto e fotos? E por aí vai. Dependendo do tipo de página, você poderá cobrar mais ou menos, não necessariamente levando em consideração apenas o número total de páginas.
      Esperamos ter ajudado. Se tiver outras dúvidas, entre em contato a qualquer momento.
      Um abraço e boa sorte!

      Responder
  4. Roberto

    Olá ..primeiramente parabéns pelo conteúdo do texto, esclareceu muita coisa…
    Estou pensando em criar uma loja virtual, tenho lido e pesquisado muito sobre criação de site, hospedagem e dominio…. alem de ssl é necessario mais certificados ?? como seria para criar um banco de cadastro dos clientes?

    Responder
    • Redação

      Olá, Roberto!
      Um certificado SSL é, sem dúvida, um pré-requisito para qualquer loja virtual. No entanto, outros itens de segurança podem ser utilizados, como por exemplo, um sistema anti-fraude. Apesar de não ser algo obrigatório, esse tipo de recurso protege o lojista ao analisar e aprovar todas as compras, evitando que possíveis fraudadores prejudiquem o seu negócio. Para saber mais sobre o assunto, recomendo que leia o artigo Como montar uma loja virtual? Guia para um e-commerce de sucesso.

      Sobre o cadastro de clientes, existem muitas opções para esse fim e a escolha da ferramenta dependerá de alguns fatores. Antes de mais nada, é importante definir seus objetivos. Se você quiser criar um banco de dados para e-mail marketing, para divulgar produtos e novidades, serviços como o MailChimp poderão resolver. Para outras necessidades, sistemas mais específicos poderão ser utilizados. Repetindo, tudo dependerá de seus objetivos. As possibilidades são muitas.

      Espero ter ajudado. Se tiver outras dúvidas, basta entrar em contato.

      Responder
  5. Rafael Camara

    Olá. Tem uma coisa que eu não entendi.

    Eu pretendo criar um site ano que vem, talvez o WordPress, e lá pra eu criar o site eu preciso ter um domínio. Mas aí se eu só quiser usar o domínio .com.br gratuito e não o oferecido pelo wordpress (.com) como eu faço?

    Obrigado

    Responder
    • Redação

      Olá, Rafael!
      Vamos por partes. Os domínios .com.br não são gratuitos. Eles precisam ser registrados, como qualquer outro. Caso opte por um blog gratuito no WordPress.com, você poderá utilizar um subdomínio dentro de wordpress.com, seguindo a regra meusite.wordpress.com. Caso queira utilizar um domínio .com.br, precisará registrá-lo em qualquer empresa que o faça, e então configurá-lo para que seu blog funcione com este domínio.
      Algumas empresas de hospedagem oferecem o registro de domínio gratuito se você contratar uma hospedagem anual. No entanto, o registro do domínio, somente, nunca será gratuito.

      Separamos alguns artigos que poderão ajudá-lo a entender melhor estes conceitos, como domínio, hospedagem e o próprio WordPress:
      O que é domínio
      Como registrar um domínio
      Qual a diferença entre domínio e hospedagem
      WordPress.com e WordPress.org: entenda a diferença
      Registro de domínio: ranking das melhores empresas

      Se tiver qualquer outra dúvida, basta entrar em contato.
      Um abraço e boa sorte!

      Responder
  6. mcassola

    Vlw pelas dicas.

    Estou investindo numa ideia e seus esclarecimentos me incentivaram a registrar domínio.

    Duvida: Ha anos atras subi um site gratuito feito por mim mesmo em html no “kit.net” (lembram?). Existe hoje alguma hospedagem que me permita o mesmo recurso de forma gratuita?

    Muito Grato
    []´s mcassola

    Responder
    • Redação

      Olá!
      Sim, existem alguns serviços de hospedagem gratuita hoje em dia, que oferecem até mais recursos do que o kit.net (sim, eu me lembro!).
      Um deles é a Hostinger. Para saber mais sobre o assunto, veja o artigo Hospedagem grátis vale a pena?
      E boa sorte com o site!
      Abraços

      Responder
  7. walmir eduardo

    parabens otimas informações, que nao encontrei tao completas em nem um outro site, está de parabens mesmo

    Responder
    • Redação

      Olá, Walmir!
      Obrigado pelo comentário. Ficamos felizes em saber que nosso conteúdo foi útil pra você! 🙂
      Um abraço,
      Equipe de Redação

      Responder
  8. José Roberto

    Olá boa noite, achei suas dicas fantásticas
    Um conteúdo extremamente importante
    Tirou várias dúvidas que tinha muito obrigado,queria saber de você do que você acha da plataforma da inluria se ela é boa e se você a conhece mais uma vez obrigado

    Responder
    • Redação

      Olá, José Roberto!

      Obrigado pelo seu comentário. Nunca utilizamos o Iluria, mas vou tentar te ajudar comentando dois pontos que acho importante considerar na escolha da sua loja virtual.

      A primeira delas é estabilidade. Você precisa ter certeza que a sua loja virtual será estável e não ficará fora do ar nos momentos de picos de tráfego. Essa é uma das principais reclamações de quem possui um e-commerce. Para ver isso, sugiro que pergunte para a empresa qual o SLA (Service Level Agreement) ou tempo de disponibilidade do servidor deles. Essa informação não costuma ser divulgada no site, mas todas costumam responder quando são questionadas sobre isso.

      Ainda sobre estabilidade, notei que nos termos de uso da Iluria há restrições para lojas virtuais com muito acesso ou com picos de tráfego. Veja abaixo o trecho a que me refiro:

      “O Iluria reserva o direito de criar limitações de uso e armazenamento, a critério próprio, a qualquer momento e com ou sem aviso prévio. Também não podemos fornecer backup dos dados de sua loja no caso de encerramento de sua conta no Iluria ou em qualquer outra situação. Lojas que tenham picos de tráfego ou volume alto de tráfego de dados e que possam comprometer o desempenho do Iluria, podem ser retiradas do ar sem aviso prévio. Caso sua loja exija tráfego de dados elevado, por favor consulte-nos antes de abrir a loja para que possamos fazer uma estimativa de uso.”

      Pelo preço que eles cobram, que é bem barato, e pelas restrições acima, eu diria que o Iluria é indicado para pequenas lojas virtuais, com acesso baixo a moderado. Dependendo da loja que pretende ter, recomendo que entre em contato com eles antes da contratação.

      Um segundo ponto que não deve ser deixado de lado é o suporte. Você precisa poder contar com a empresa em caso de dúvidas ou problemas. Pelo que vi e pesquisei sobre o Iluria, o suporte é bem básico, por e-mail somente. É preciso saber ainda se este suporte é 24h e se funciona em todos os dias da semana. Contratar uma empresa com suporte restrito pode sair caro, se a sua loja ficar fora do ar por muito tempo.

      Espero ter conseguido te ajudar, mas qualquer dúvida é só comentar. Caso queira saber mais sobre lojas virtuais, acesse nosso artigo sobre plataformas de e-commerce (SaaS).

      Responder
  9. Millena

    Olá!
    Gostaria de saber se no Host Gator há facilidade de criar o meu site por conta própria, assim como é no Impress.ly?

    Responder
    • Redação

      Olá, Millena!
      A HostGator possui um criador de sites com o mesmo propósito do Impress.ly, no entanto, o funcionamento das ferramentas difere um pouco entre si. A principal diferença é que o Impress.ly possui um recurso que permite carregar o conteúdo inicial do site a partir de uma rede social ou site antigo, enquanto no criador da HostGator você precisa inserir manualmente o conteúdo de cada página. Outra diferença é que o criador de sites da HostGator oferece o serviço de e-mail gratuitamente em seus planos, enquanto o Impress.ly não oferece o serviço.
      Para conhecer em detalhes o funcionamento de cada ferramenta, sugiro que leia a nossa análise do Impress.ly e também visite a página do criador de sites da HostGator, no próprio site da empresa.
      Caso tenha outras dúvidas, entre em contato e faremos o possível para ajudá-la!

      Responder
    • Márcio Gomes

      Eu sugiro a utilização de um aplicativo moderno e cheio de recursos, como o Adobe Muse. Requer uma curva de aprendizado, como qualquer aplicativo, mas o resultado final é fantástico. Há diversos tutoriais no YouTube sobre este programa. Ele é pago, mas cada um faz o que pode…

      Responder
  10. Fernando

    Tem uma forma de conseguir um site com preço em conta.

    Muitas empresas criam os sites e depois reaproveitam o modelo, fazendo apenas modificações que o cliente precisa. Isso é bom para os 2 lados. E é ideal para quem tem o orçamento mais apertado.
    Recomendo: site-barato.com . Fiz o meu com eles.

    Responder
    • Redação

      Olá, Fernando!
      Outra maneira de fazer isso é usar um criador de sites ou um gerenciador de conteúdo como o WordPress. Assim, o site não precisar ser construído “do zero”. Vale dar uma olhada antes de escolher!

      Responder

Deixe um comentário